IR PARA O TOPO

“DETURPARAM O SOCIALISMO”: VEM AÍ O “SOCIALISMO DO SÉCULO XXII”

Deturparam o socialismo marxista na China de Mao, na União Soviética de Lenin e Stalin, em Cuba com Fidel Castro, na Coreia do Norte, e em todos os outros lugares onde o experimento igualitário coletivista foi feito. Em todos, sem exceção, o resultado foi miséria e escravidão. Mas claro que a culpa não é da ideologia. Ela foi “deturpada”. E se ao menos dessa vez tentarmos com as pessoas certas…

Lembrei disso ao ler essa resenha de Animal Farm, de George Orwell, na revista Galileu, assinada por Bruno Vaiano. Depois de analisar coisas mais banais, como um spoiler no título ou o rock & roll com a literatura, o autor chega ao ponto final, que parecia ser seu único objetivo real. Diz ele:

Orwell teve a ideia para sua fábula distópica após se dar conta de que o ser humano é capaz de domar e comandar animais pelo fato de que eles, apesar de mais fortes, não têm consciência de que estão sendo dominados, e que uma relação parecida se estabelecia entre patrões e o proletariado.

Ou seja, se serviu do próprio princípio da fábula, a inversão entre o papel humano e o animal, como paralelo para a organização do trabalho na sociedade capitalista, para então demonstrar que as relações de poder que se formariam entre os próprios proletários após a revolução poderiam deturpar o ideal socialista. Uma aula de história. 

Puxa vida! Se ao menos esses proletário fossem mais altruístas… tudo ficaria bem no socialismo! Mas os proletários deixaram as “relações de poder” se formar, e eis o que deturpou o “ideal socialista”. Se ao menos esses revolucionários fossem mais abnegados, conscientes dos riscos dessas relações de poder…

Isso, deturparam o socialismo. Hugo Chávez tentou provar isso com o seu “socialismo do século XXI”, que teria aprendido as lições após os “erros” do século XX. Deu nisso que vemos hoje na Venezuela. Só resta esperar o “socialismo do século XXII” para ver se dessa vez vai. O cavalo Sansão continua trabalhando obstinadamente pelo sucesso da revolução. Um pouco de fé, camaradas!

lancamento

Compartilhar

Sobre o Autor

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Colaborador do jornal O GLOBO. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.